A FONTE - Setembro de 2017


A Fonte - Setembro de 2017
Mensagem de 17 de setembro de 2017 (publicada em 25 de setembro)
Origem francesa – recebida do site Les Transformations


Áudio da Leitura da Mensagem em Português - por Noemia
Clique aqui para fazer o download do áudio



Meu amigo, meu amado, eu honro e bendigo a verdade de tua Presença. Hoje o Juramento e a Promessa se atualizam em ti, dando-te a te descobrir e a te reencontrar. Juntos, tu e eu, em cada um de ti, eu honro e bendigo a tua verdade. Juntos nós vamos, onde quer que tu estejas neste instante como em qualquer instante em que tu me ouças ou me leias, não para que te embebas de minhas palavras, mas para que te embebas do Amor que tu és. Pela graça do Parácleto, pela graça de tua reconexão, descubra-te, ouse, ouse enfim, sem história e sem arrependimentos, ser o que tu sempre foste apesar da ilusão do que tu viveste no seio deste confinamento. Redescubra a tua liberdade de ser, cujo único caminho é aquele do teu coração. Além de toda forma, como em toda forma, eu estou contigo porque eu sou tu.
Então, sem hesitar, antes mesmo que o Apelo da Grande Mãe ressoe em teu coração  e em teu ouvido, abra-te a esta Verdade infinita e eterna que nunca pode desaparecer, que nunca poderá se apagar e que, também, jamais poderá se reproduzir. Então abra grande o teu coração, desdobre tuas asas e ouve diretamente em teu coração a dança de minha Presença, o canto de tua ressurreição. Neste instante é suficiente te colocares aí onde reside a tua eternidade, aí onde reside a única Verdade. Não há nenhum caminho que tu devas tomar, não há nenhum sofrimento que tu devas aceitar. Tudo é já perfeito e tudo está já em ti e tudo está já aí mesmo, no seio desta terra.
Então sim, hoje alegra-te, não pelo que vem, mas pelo que está aí. Alegra-te porque és bendito, porque tu és verdadeiro. Revestido de teu manto de eternidade, da vibração de tua essência e da origem, eu te convido a dançar a vida na imutabilidade do teu silêncio, em teu repouso eterno. Tu que és anterior a toda forma, a toda consciência, fonte de ti mesmo, tu és a Água da Vida, a Água do Batismo e a Água da Ressurreição. Seca quaisquer lágrimas que possam ainda aparecer, elas não são mais que o reflexo de tua alegria eterna, de tua sensibilidade, de teu Espírito. Não te deixes mais martirizar por qualquer elemento presente neste mundo como neste corpo, reencontra-te. Há, não uma urgência mas a imediaticidade de tua Presença eterna que não quer mais do que bater à tua porta, aquela de tua consciência.
Então abre, abre e descobre, para além do entendimento, além de toda palavra, além de toda forma, a verdade inefável de toda presença, a verdade inefável da realidade do Amor fluindo da fonte, sendo a natureza mesma em qualquer dimensão que seja, que breve, para além do tempo, tu percorrerás em toda liberdade, sem ser sujeito a uma forma fixa, sem ser sujeito a uma qualquer dualidade ilusória. Tudo é Um, assim tu és Um.
Tudo o que foi separado será reunido na mesma dança e no mesmo fogo a partir do momento em que a Grande Mãe chamada Maria te chamará por teu prenome, cada um de ti neste planeta, dando-te a queimar os restos de ilusão ainda presentes em forma de sofrimentos e de memórias, em cada parcela de tua divina Luz. Tu que és a Eternidade, tu que és o Eterno e parte do Eterno, em cada parte se encontra o Todo, agora que os véus do sofrimento e da ilusão são removidos de teus olhos como de teu coração.
Então reencontra-te, não há nenhum esforço a fazer. Isto não é uma recompensa, como já te disse, é o que te é devido, é a tua verdade. Em cada um de ti a mesma chama, em cada um de ti a mesma Fonte, o mesmo espírito, a mesma dança, e sobretudo a mesma intensidade não mensurável e não calculável deste Amor incondicionado que tu sempre fostes e continuas a ser, apesar dos véus e apesar do esquecimento.
É o tempo hoje de restaurar a Verdade de modo que haja o esquecimento do que foi falsificado, do que te fez sofrer. Aplica-te a ti mesmo o dom da Graça e o bálsamo da Verdade. Não há esforço, há justamente que te reconheceres, além de todo pensamento, de toda manifestação, como de todo estado, porque o que tu és não depende de nenhuma condição nem de nenhum estado, porque  o que tu és é a Verdade, o que tu és é a consciência pura que encontra sua fonte além da consciência e além da Luz, servindo de manifestação e de apoio a toda experiência livre da consciência em qualquer multiverso , em qualquer universo, como em qualquer dimensão que seja.
Então hoje, eu te convido à dança de tua ressurreição, eu te convido a te reconheceres no seio do Impessoal, do Espírito do Sol, como do Parácleto, a fim de que o Coro dos Anjos entoe em tua presença o canto de Amor da Eternidade, canto de bendição, canto que abre em ti as últimas portas, construídas no seio da Ilusão que, como tu descobres ou descobrirás, não tem outra realidade que o peso de tuas crenças, o peso de tuas adesões, o peso de teus infernos,  que não têm nenhuma duração e que se desvanecem diante da verdade de teu coração reencontrado e atuante na superfície deste mundo.
Tu és Luz e a Luz está por toda parte. No princípio era o Verbo e teu Verbo é o primeiro Verbo. Então há numerosas moradas e cada morada é a tua morada. Tu não tens que escolher, não tens que te privar, tu tens que descobrir. Abre-te, sem medo nem falha, tu não precisas fazer nenhum esforço, tens somente que estar aí onde me encontro em teu coração, tens somente que fazer silêncio, estar imóvel, a fim de que a Vida te percorra e te ressuscite na verdade de tua eternidade. Não olhes para trás, nem olhes para diante de ti, olhe ali onde todos os tempos estão contidos, pondo fim à Ilusão em teu Coração do Coração.
Eu vim a ti, como eu te disse, não para falar, não para fazer-te conhecer outra coisa do que o que conheces de toda a eternidade. Reconheça-te em mim, como eu me reconheço em ti, porque entre mim e ti e entre tu e eu não há nenhuma distância, nenhuma tela e nenhuma divisão. Como em cada um de ti, apesar das aparências e apesar das formas, apesar dos pensamentos e apesar dos afetos está a única verdade, aquela do Amor sem condição e sem concessão, que está aberto à dança da Vida e à verdade da consciência.
Tu que és pura consciência e redescobres o sentido de minhas palavras pela vivência de tua carne no seio desta Ilusão, eu te convido a não mais nutrir o que te fez sofrer, eu te convido a não mais nutrir os teus conceitos errôneos concernentes ao que tu és, que te prometem montanhas e maravilhas, sendo que estas montanhas e maravilhas estão inscritos na eternidade de teu coração, na eternidade de tua Presença, além deste mundo, como além de todo mundo.
Reconheça-te. Eis meu único desejo, que é também fundamentalmente tua única verdade e teu único desejo, desejo este que não concerne a este mundo, onde nada deste desejo pode ser realizado e comprovado. Eu te convido a realizá-lo e a comprová-lo no único lugar onde ele sempre esteve, em teu Coração do Coração. Pela graça do Fogo Ígneo que se deposita agora a cada minuto, a cada sopro, em teu peito, não resista e acolha de maneira infinita e sem nenhuma condição tudo o que a vida te dá a viver, porque a vida, mesmo neste mundo, é agora iluminada pela Espada da Verdade, que corta os laços ilusórios do apego a qualquer condição deste mundo.
Tudo está em ti, isto sempre foi dito. Eu te convido hoje mais que nunca a verificar esta verdade essencial, instalando-te e repousando no centro do teu peito, este lugar que não é nenhum lugar, porque escapou do confinamento e da forma deste mundo. E apesar das vicissitudes, apesar das experiências felizes ou infelizes de tuas tomadas de encarnação no seio desta Ilusão, eu te convido à beleza e eu te convido à celebração, não mais somente da Graça, não mais somente de tua ressurreição que se completará em um número reduzido de teus dias a viver ainda no seio da Ilusão, eu te convido a sair de qualquer tempo, te convido a considerar qualquer história deste mundo como uma história que somente passa e que nunca mais poderá colocar travas em tua liberdade reencontrada.
Não te peço que me creias, eu não te peço mesmo que me escutes ou me entendas, eu te peço simplesmente que te reconheças, aí neste instante como em cada instante que se escoa doravante, te dando a ver que o tempo não se escoa jamais, que ele também é uma ilusão, que não há nenhuma condição, nem mesmo do confinamento, que pode hoje ainda te refrear na verdade que tu és.
Então deixe que a Alegria, que não depende de nenhuma causa nem de alguma justificação, emergir da Verdade que tu és. Deixe-a suavizar e fechar as feridas que podem ainda parecer existir, ligadas unicamente, como tu o sabes, ao medo. O Amor não conhece o medo, então o Amor que tu és não pode deixar subsistir o menor medo do desconhecido, preparando-te então ao indizível salto no seio da última Verdade, remontando assim à fonte de tua eternidade como à fonte de tua consciência. Isto se produz neste momento mesmo. Não te deixes alterar pelo que pode sofrer em ti, nem te deixes alterar pelos gritos que sobem da terra, dos que ainda não se reconheceram, dos que ainda não se reencontraram, mas que graças a tua presença e a tua benevolência, permitirão suavizar a maneira em que viverão a sua própria ressurreição.
O que quer que digas hoje, o que quer que cada irmão da terra diga, o que quer que pense e o que quer que viva, isto não é nada em relação não mais à Promessa, mas à verdade da instalação dela, levando-te a ressuscitar e te fazendo viver o Juramento da Eternidade, o juramento da Alegria que sela toda manifestação como toda experiência, além do confinamento deste mundo, devolvendo-te a tua liberdade primeira que nunca pode ser eliminada. Em qualquer forma que seja, em qualquer ausência de forma que seja, permaneças sem mudanças, permaneças verdadeiro, tu, Luz da Vida, Luz do Amor que é anterior a toda manifestação, como a toda expressão.
Aí onde estás, em qualquer idade que te encontres, em qualquer condição que tu te encontres na superfície deste mundo, não existe doravante nenhum obstáculo à esta descoberta. Então eu te peço e te rogo que te abras a fim de que nunca mais tu sejas fechado e confinado por qualquer limite que seja. Eu bendigo a tua presença, tu que és Fonte ao mesmo modo que eu, Fonte que, como tu, conheceu a forma, certamente não pelas vias clássicas da encarnação. Eu posso hoje te revelar que eu estive presente na superfície desta terra, pouco tempo, é certo, porque o peso da densidade e da Ilusão apagou meu coração, e eu o sabia no seio de minha forma efêmera.
Te convido a reler as únicas palavras que eu pude escrever quando de minha passagem, à véspera de minha passagem. Eu conheci tua condição, experimentei o sofrimento e a carência, tudo isso hoje se acabou. Eu te convido a ser o sem-forma, te convido a ser o primeiro nascido, o primeiro filho da Fonte que cada um de ti é, em qualquer experiência que desejar viver doravante.
Assim o Amor coloca realmente fim a qualquer sofrimento e a qualquer ferida. Assim o Amor que tu és coloca fim a toda antecipação e a todo condicionamento. Escuta, não o que te digo, mas escuta a verdade do teu coração, que somente pede para ser ouvido e aceito. Aí está o dom da Graça, aí está a única Verdade, que não deixa nenhum lugar para a dúvida, ou para a interrogação, seja qual for a sua natureza.
Meu amigo, meu amado, ouça o canto da Ressurreição, que canta em ti como cantará muito em breve no conjunto de teus céus da terra, em qualquer lugar que tu residas, anunciando o retorno em majestade da Verdade. No texto que escrevi já há mais de trinta e três anos, eu te deixei indicações que não levam em conta nenhuma cultura, nem alguma condição, de alguma religião como de alguma crença.
O salvador já está em ti, revela-o, ama, e se tu não podes amar frente a um outro de ti, então siga teu caminho e respeita a liberdade daquele que tu não podes amar. Ele é tu em um outro estado, em um outro tempo, em um outro espaço e no entanto bem presente, que isto seja entre teus próximos como sobre o conjunto desta terra. Aceita e acolhe permitindo-te então dizer « sim » à eternidade de teu coração, à eternidade de tua Presença. Não há nenhuma condição, não há nenhum carma, não há nenhum sofrimento, não há nenhum prejuízo que possa refrear ou conter o fluxo do Amor, o fluxo da Verdade.
Seja tu mesmo afim de ser livre e aberto, te permitindo então descobrir o que jamais pode desaparecer e que no entanto não foi visto nem sentido. Hoje não há mais questões, não há necessidade de ritos nem de vibrações, há somente a necessidade da Verdade, bem além de toda condição ou de todo julgamento. A verdade está aí desde o instante em que não coloques nenhuma tela nem nenhuma oposição a tua eternidade, soltando assim os últimos laços ou os últimos apegos à ideia de ser este personagem, esta história, esta vida, ou qualquer carma que seja.
Afasta-te de todos aqueles que resistem, ainda animando conceitos desatualizados, crenças desgastadas. Mantenha-te longe do que foi prescrito para te reaproximares de mim. Isso teve o seu tempo e também, tu o sabes, foi falsificado. Tu não dependes de qualquer mestre, tu não dependes de nenhuma lógica, tu não dependes de nenhuma condição, tu dependes apenas de ti. Então, o que esperas para ousar te descobrir em totalidade, na verdade da Luz, na verdade do Amor, te nutrindo cada dia ainda mais, mostrando-te e demonstrando-te que tudo já está aí, em ti, que nada há  a ser retido neste mundo, que há tudo a dar a fim de o restituir  à verdade do Único.
Releia o texto, o único que eu escrevi quando de minha partida, de minha passagem, a fim de retornar ao estado inicial. Minha presença naqueles tempos, previamente ao retorno da Unidade, previamente à Ascensão da Terra,  fecundou, como Cristo fez já há mais de dois mil anos, o sangue da Terra com o sangue da Eternidade.
Então não esperem mais, porque o tempo não se desconta mais, porque o tempo não se mede mais. Mas o tempo se dissolve em breve com estrondo, porque quando o tempo se dissolve  e se colapsa, que prazo ou que projeção em qualquer tempo que seja, pode ainda te afetar ? Isso foi nomeado os três dias de trevas e de escuridão, isto foi nomeado a estase, assinalando assim, pela visibilidade e pela audibilidade dos sinais celestes e terrestres no seio dos teus sentidos ordinário, siderando-os e dando-te a descobrir a totalidade dos sentidos do teu coração que é o único sentido que nunca perece e que nunca nasce.
Tu és bem além de todo nascimento e de toda morte. Em verdade eu te digo, em verdade tu o dizes e em verdade tu o vives. Por pequenos toques ou de maneira estrondosa, isto não faz nenhuma diferença, porque cada um neste fim dos tempos, evolui em seu tempo que é seu ritmo interno, mesmo se ele seja calcado sobre o fim dos tempos e não pelo fim da vida e não pelo fim do mundo, mas ao fim de um certo mundo, sendo acompanhado, como tu o sabes, de uma oitava nova de dimensão e de manifestação, onde somente a Alegria do Amor e somente o Amor da Alegria te servem de guia e te servem de experiência, quando tua consciência está presente.
Lembra-te, não há mais tempo para as lembranças, o tempo não é mais para o Juramento e a Promessa, mas é chegado o tempo da realização dela. Não há mais atrasos, não há mais sofrimento, não há mais fim porque o que vem não é o fim, senão a tua ressurreição. Somente o que morre – que não é tu – chama isto « o fim » e tu não és em nada concernido pelas dores do teu corpo. Somente alguns hábitos e algumas crenças, mantém ainda esta crença, que é falsa e ilusória.
Então não deixes, o que quer que se desenrole em tua vida, que tua vida eterna seja freada por qualquer elemento não resiliente deste mundo. Que isto concirna aos teus pensamentos, que isto concirna as tuas relações, que isto concirna a teu corpo, que isto concirna a teu mundo no país onde estás, não serás molestado. Cristo disse : « Busca o Reino dos Céus que está dentro de ti e todo o resto te será dado em abundância ». Por isso tu deves aceitar não buscar em outra parte que não em ti e te colocares no seio de tua presença, pondo fim à ilusão dos conhecimentos, à ilusão da espiritualidade, à ilusão de ser uma história, à ilusão de ser um corpo sofredor.
Deixa a Verdade tomar todo o lugar e todo o espaço de teu corpo como todo o espaço de tua consciência, neste mundo como em toda parte. Assim tu verás que nunca nada pode ser separado realmente e concretamente, mas simplesmente dividido e burlado pelo teu próprio mental, pela adesão a este mundo bem mais que a adesão a tua eternidade. E lembra-te também o que disse o salvador quando esteve encarnado: « Ninguém pode conhecer o Reino dos Céus senão se tornar como uma criança e se não nascer novamente. »
Então libera a Porta estreita, ela já está aberta; ela nunca esteve fechada senão por tuas crenças, senão por teus apegos.  Não há outra chave que não o que tu és em verdade, então não espere mais nada, porque não há nada a esperar. Os tempos estão cumpridos, a Terra está liberada depois de muito tempo em termos humanos, isto foi anunciado e pode ser traduzido em ti pela subida do que foi nomeado a Onda de Vida.
Hoje não te preocupes mais de qualquer história que seja, não te preocupes do que pode se desenrolar no seio deste mundo como no seio de teu corpo; coloca-te em teu coração e olha simplesmente como este coração se torna um bálsamo que põe fim, como já te disse, a toda ferida, a todo sofrimento.
Então escolha a simplicidade porque a Verdade é simples. Escolha a Infância, porque na Infância não há mental, não há memória, somente há o instante. Penetra o instante, presente de toda a Eternidade, a fim de que todos os teus instantes e cada sopro que te reste a manter sobre este mundo seja pleno da graça e da beatitude de tua eternidade desvelada.
Ouça o som da tua alma, o som do teu Espírito, que te chamam muito mais forte que antes, na linearidade deste tempo, a aquiescer, a dizer « sim », a te reconhecer bem além de toda a aparência e, sobretudo, de toda história.
Seja tu mesmo, seja verdadeiro, ama cada coisa, ama cada pessoa. Se tu não o podes, então siga teu caminho, mas tenta-o. Tu não tens nada a fazer, mas justamente a deixar ser a Eternidade desvelada, isto não te concerne enquanto história ou pessoa, isto não concerne a nenhuma forma. Isto está além de toda forma e isto está aí.                   
Então, meu amigo, meu amado, ouça o que o Coro do Anjos canta, não mais em teus ouvidos, mas diretamente em teu coração. Aí está o canto da Vida, aí está o canto da Ressurreição, aí está o canto da consciência, aí está o canto além de toda consciência.
Acolhe com a mesma intensidade tudo o que te propõe a vida, porque mesmo se tu não o vês e não entendas nem os prós nem os contras, a Luz está aí e ela se ocupa de ti, porque ela é tu. Nenhum elemento de tua história ou de tua pessoa poderá doravante influir sobre o desdobramento desta Luz, no desdobramento da Verdade e quanto mais te manténs tranquilo, mais tu estarás leve e mais os teus problemas inerentes a este mundo não pesarão mais nada diante da densidade e da verdade do Amor que é tua Presença.
Então, revestido de teu corpo de eternidade, revestido da Graça da Grande Mãe, que esperas tu para sorrir à vida, que esperas tu para rir das ilusões que foram mantidas por ti ou por outros? Que esperas tu para rir-te de ti mesmo nisso que tu manténs ? Que isso seja tuas crenças, que seja um outro irmão ou uma outra irmã, que isso seja teu filho. Como tu o sabes ou pode ser entendido: « Vossos filhos não são vossos filhos, eles são os filhos da Luz ». Além do confinamento não há laços de sangue, não há mais que os laços da Liberdade e os laços do Amor, que não são laços, que são, no entanto, confiança e orientação, permitindo à Verdade circular sem dificuldade em qualquer consciência que seja, em qualquer dimensão que seja.
Não é mais tempo de compreender, já não é mais tempo de explicar, é o tempo de viver. O tempo é da simplicidade, o tempo é da Infância. Aí está a verdade e em nenhuma outra parte. Tudo o que deve se desvelar nesse instante, se desvelará a ti em função do que te é útil, não para nutrir qualquer passado ou qualquer futuro, mas útil para a tua verdade no instante presente da tua presença. Então escuta e ouça, não o que te diz tua cabeça, não o que te diz qualquer interveniente que seja, mas escuta teu coração; ele não pode te enganar, ele não pode te levar para além do que é a verdade eterna do Amor.
Recorda-te, não há nenhum limite, de idade, de sofrimento, de doença ou de bem-estar que possa agora e doravante refrear ou limitar a plena expressão de tua Eternidade, a plena manifestação de tua Presença.
Então, meu amigo, meu amado, comunguemos juntos na Teofania, e bem mais que o sinal da Luz, procedendo até agora por pequenos toques, durante algumas datas, em alguns instantes que tu mesmo escolhes, eu te convido a não mais depender de alguma data, a não mais depender de alguma circunstância, nem de algum tempo. Deixa ressoar a verdade de teu coração, aí, em meio a carne do teu corpo.
Ouça, no silêncio de minhas palavras, no silêncio da história, ouça a imutabilidade do Amor, que permite todos os movimentos e todas as experiências. Ouça-te, do mais profundo de ti jorra o canto do Espírito, o canto da comunhão e da Teofania perpétua, e dá-te conta, em função de teu tempo e teu horário, que nada pode agora te reter no seio da Ilusão.
Leva tua vida, como ela te peça de a levar, enriquecida pela Verdade. Então teu caminho, no seio deste mundo – porque teu coração não tem caminho – mas teu caminho no seio deste mundo será límpido e leve. Tudo se fará em plena clareza, em plena precisão, transcendendo o bem e o mal e te instalando no aqui e agora, aí onde se encontra o Único, em tuas profundidades, aí onde se encontra o Cristo.
Faz desta terra que ascensiona o terreno de tua ressurreição, vivendo os elementos, vivendo a natureza, vivendo os Cavaleiros, vivendo tudo o que se produz e se produzirá no calendário de teus últimos tempos, com a mesma graça, com a mesma densidade de Amor reencontrado e que não responde a nenhuma condição e a nenhuma restrição.
Então o Manto Azul da Graça da Grande Mãe recobrirá teus ombros, desnudando o teu coração, realizando em torno de ti a cada instante a graça de tua simples Presença. Sem qualquer intenção e sem ter necessidade de toque, tu tocarás cada coração sem nada desejar e sem nada pedir, estando simplesmente no que tu és, sem colocar limites, sem recobrir o que se descobre.
Meu amigo, meu amado, os tempos estão cumpridos. Meu amigo, meu amado, a hora é da Liberdade. Não procure data porque ninguém pode conhecer o momento da intervenção dos sinais celestes e terrestres, assim como o Apelo da Grande Mãe, que tu nomeias Maria. Isto é agora. Olhe, olhe não a cena de tua vida, mas a cena do mundo e veja os sinais e as primícias, inclusive veja hoje e nos próximos dias, a plena e inteira manifestação que põe fim às últimas ilusões, às últimas dúvidas
Deixa-te consumir no Fogo Ígneo do Amor porque neste lugar e no que tu és, tu não terás jamais fome e jamais sede. Deixe que a Fonte de Cristal preencha cada interstício e cada célula desse corpo se abra à Luz, à beleza, à Verdade. Procura o silêncio tanto quanto for possível para ti, esteja tranquilo. Passe todo o tempo livre que te é dado pelas condições da tua vida a escutar teu coração, que vibra e dança em sua imutabilidade, a fim de que a Graça se coloque sobre cada um de teus olhares, sobre cada um de teus gestos, sobre cada uma de tuas ações.
Hoje o Amor te leva, não para além que o instante presente. Reencontra, não a densidade do mundo, mas a densidade de teu coração, deixando-o irradiar a Luz autêntica, aquela que não conhece nenhuma condição, nem restrição. Então o salvador se revelará em ti. Então tu não terás que te colocares a menor questão sobre o que tu és, sobre o que foste e sobre o que tu serás, porque o que quer que tu tenhas sido, o que quer que tu sejas ou aquilo que serás, participa do mesmo Amor e da simples e única verdade, aquela da tua eternidade, aquela do Amor incondicionado.
Deixa a Graça te levar, deixa a evidência aparecer além de tua carne. Para isso não há conduta à observar ; para isso não há nenhum dogma a seguir ; para isso não há necessidade alguma de ascese. Unicamente a espontaneidade deixa a Verdade eclodir à superfície de tua consciência. Não precisas de nenhuma ferramenta e, sobretudo, nenhum conhecimento deste mundo. A verdade está aí; o Juramento e a Promessa  se realizam em ti,  antes mesmo que a Grande Mãe te o diga.
Então, o que esperas para declamar o canto do Amor? Não através de tuas palavras, nem através de discursos, mas simplesmente pela qualidade de teu olhar, pela qualidade de tua Presença, pela intensidade de teu silêncio, quaisquer que sejam as palavras que tu pronuncies, por que tu és o Parácleto e no silêncio de tuas palavras nasce o verbo criador que te restaura em tua eternidade e que restaura cada um, porque tudo é Um, não havendo nenhuma diferença entre o santo e o pecador, porque não há nenhum pecador que não possa se tornar santo. Não há diferença, apesar das aparências, no Coração do Coração. Somente a história pode ver uma diferença, simplesmente uma história ilusória diferente.
Meu amigo, meu amado, acompanhado do Coro do Anjos e do Espírito do Sol, eu te recubro de minha Graça que é tua. Meu coração se junta ao teu porque não há mais que um coração, apesar das aparências, tanto no seio deste mundo como as aparências no seio dos mundos livres, que não são mais que jogos da própria consciência. Recorda-te, doravante isto é possível, tu és anterior a toda consciência, tu és anterior a toda forma, tu és anterior a qualquer mundo, a qualquer sol ; aí está a única Verdade, todo o resto não são mais que jogos e experiências onde a única seriedade é a seriedade do Amor que é leveza  e alegria da infância.
Eu te convido a te liberar da correntes invisíveis que podem ainda restar, por hábitos ou por crenças. Presentes em ti. Não procures explicações, nem mesmo compreender, contenta-te de viver o que tu és. Contenta-te de estar presente e todo resto aparecerá e se transfigurará, antes mesmo de tua ressurreição. Alguns de ti já estão ressuscitados, levando à frente sua eternidade e seu efêmero, sem ver nenhum obstáculo e nenhuma reticência se opor a sua verdade. Então, se um de ti o pode fazer, tu o podes fazer da mesma maneira, e não tens nada que fazer, senão deixar que se desfaçam as malhas da Ilusão.
Esteja simplesmente presente, esteja simplesmente em silêncio e todo o resto aparecerá por si mesmo. É assim que se prepara, nesta última fase, nestes últimos dias, o Apelo da Grande Mãe e o retorno à Unidade, visível em teu céu, ao lado do Sol. Isto é agora, não procure pelo dia porque para nós, além de todo tempo, isto está cumprido, assim que tu o manifestar, sem nenhum esforço e sem nenhuma dificuldade. Vigie simplesmente para permanecer neste estado além de todo estado. Vigie simplesmente que a Alegria permaneça em qualquer reticência ou em qualquer sofrimento que seja e não esqueça que a inteligência da Luz e sua Graça, mesmo no que possa aparecer em tua história como contrário à Luz, é exatamente o contrário. Somente a distorção da história te impede de vê-lo e pode ainda te impedir de vivê-lo integralmente.
Então escute. Escute o Coro dos Anjos que canta em teu coração, escuta a Grande Mãe, aquela que nós nomeamos Maria, estar em ti, acolhendo-te no seio da Eternidade, em teu Coração do Coração. Então, meu amigo, meu amado, escute, escute o silêncio, escuta-te. Minhas palavras não seriam nada se não fossem o Verbo ; minhas palavras não seriam nada se o Verbo que as sustenta não fizessem ressoar teu coração ou escorrer uma lágrima no canto do teu olho. Tu estás em casa. Apesar das aparências residuais deste mundo, a Verdade está aí e nada a pode retardar e nada pode frear o que está à borda de tua consciência e à borda de teu coração. Escuta-o, escuta o que te diz no silêncio e vê o que há a ver, vê mais além de toda aparência. Olha em ti e tu verás claro; olha em ti e tudo será preciso; olha em ti e a Unidade se manifestará; olha em ti a fim de que tua matéria, em qualquer aspecto que seja, se transforme e se torne o Éter.
Vá além de minhas palavras. Mesmo se tu não percebas o verbo, no momento, ele não pede mais que ressoar em ti, ele não pede mais que te oferecer a Alegria em superabundância, em qualquer condição que tu estejas na face deste mundo. A Luz e o Amor, a Verdade que tu és toma agora todo o espaço e todo o tempo que te reste a passar no seio do efêmero. Alegra-te e alegra cada um dos teus irmãos, onde quer que estejam, não por palavras mas simplesmente pelo que tu és, que é o que eles são, abolindo assim as fronteiras e as distâncias, a diferença cultural aparente, de raça ou de forma, que não são mais que violências feitas à Unidade e à Verdade. O Amor é forte, mas ele não é jamais violento.
Meu amigo, meu amado, eu desço até o teu coração, o Coração Ígneo da Fonte, o Coração Ígneo da Grande Mãe, o Coração Ígneo de Miguel, realizando em ti a junção da Nova Eucaristia ou da Nova Tri-Unidade. Vá além de minhas palavras, vá além mesmo do que tu compreendes, para viver a quintessência e o Verbo vivificante.                 
Onde quer que estejas, que minhas palavras estejam sobre o papel ou que sejam transmitidas de maneira audível, não faz diferença, porque minha Presença em minhas palavras faz cair os últimos filtros, as últimas resistências, porque os tempos de cumprimento da Promessa e do Juramento se desenvolve neste momento mesmo na superfície desse mundo, à vista de cada um, a fim de que ninguém possa dizer, antes mesmo do Apelo da Grande Mãe, que ignorava o que se desenrolava.
Tu não tens necessidade de explicar, tu não tens necessidade de convencer, tu não tens necessidade de proteger ou avisar, seja simplesmente o que tu és de toda a eternidade, seja simplesmente este inesperado, que tanto talvez tenhas esperado e que hoje toma todo o seu valor e toda a sua intensidade.
Meu amigo, meu amado, eu estou aí e eu sou tu. Quantas vezes isto foi proclamado e declamado! Prove-o como um ato verídico em teu coração. Não me creias, não o deixes para mais tarde, tu não dependes de nenhum tempo, te permitindo então reencontrar tua liberdade de espírito, quaisquer que sejam as contingências de tua vida e, em meu silêncio, entre cada uma de minhas palavras e de meu Verbo, o Fogo Ígneo nasce, o Fogo Ígneo queima e consome tudo o que não é verdadeiro. Somente é verdadeira a verdade de tua Presença, a verdade de teu coração.
É assim que tu ajudas melhor e ao modo mais justo cada um de ti na superfície deste mundo, sem fazer disso um caso pessoal, porque o pecador tem ainda mais necessidade de Luz que aquele que tu nomeias santo ; não há nenhuma distância entre o pecador e o santo, há somente um intervalo. Este intervalo não está na consciência, mas no tempo, porque o tempo não existe. Então eu te peço, deixa o Amor se estabelecer. Eu te disse, não há  que ter esforço, não há técnica, não há movimento, não há condição, não há nada a pagar, porque isto é dom. Assim é o Amor, assim é a Verdade.
Meu amigo, meu amado, ouça o que te diz teu coração, não por palavras mas o que ele te diz na intimidade da tua consciência.
Meu amigo, meu amado, uma terceira vez, acolhamos juntos a Verdade que sempre esteve aí, acolhamos juntos a eternidade da Vida, que jamais pode morrer.
Meu amado, meu amigo, eu me calo agora mas eu permaneço aí, então fica comigo no Silêncio. Assim eu rendo graças a tua beleza e rendo graças a nossa Presença.
… Silêncio…
Permaneça aí, silencioso.
Que tu me leias ou que me escutes, que estejas aqui ou em outra parte, neste dia como em todo dia, isto não faz diferença, não há mais distância porque todas as feridas estão fechadas. Assim é o bálsamo do Amor, assim é a tua verdade. Nisto, tu não podes mais ser enganado pela mascarada do fim dos tempos, pelos gritos e as recriminações dos que resistem à Verdade, e é assim que tu os ajuda, sendo tu mesmo o que tu és. Aí está tua quintessência, aí está a tua natureza, aí está a tua manifestação.
Lembra-te, neste espaço além de todo tempo e todo lugar, não é necessário nem visão nem percepção. Somente a visão de teu coração te mostra a perfeição, que não depende da menor forma, nem mesmo da consciência em si mesma.
Meu amigo, meu amado, no Fogo Ígneo da Ressurreição, eu te acolho. No Fogo Ígneo da Ressurreição cada sopro é bendito; o canto da vida é graça e bênção. Isto é um jogo, como a criança joga sem se colocar questão, porque não há nenhuma lógica se não é a lógica do Amor que não corresponde a nenhuma razão nem a alguma justificação. Aí está a Liberdade e não em um qualquer futuro nem em uma qualquer resolução de algum passado ilusório que seja.
Deixa-te abrasar pelo Verbo. Descobre-te.
Meu amigo, meu amado, eu estou contigo porque tu estás em mim como eu estou em ti. Então no silêncio de minhas palavras, o Fogo Ígneo que opera te devolve a certeza do que tu és, Este Fogo Ígneo te devolve a ti mesmo, além de toda forma, de todo pensamento e eu diria mesmo, além de toda criação.
… Silêncio…
Meu amigo, meu amado, eu vou ficar aí para sempre em cada um de ti. Então não há mais necessidade de palavras, há justamente necessidade de vida em abundância. Que tu estejas aqui ou alhures, que tu me ouças ou que tu me leias, conceda-te um pouco de tempo de teu tempo, aí agora e permaneça assim, sem nada pedir e sem nada buscar, refutando tudo o que possa apresentar-se como energia, como imagem, como visão, a fim de permanecer na visão do coração, onde tudo é visto ao mesmo tempo, sem nenhuma distinção. Isto te é ofertado neste dia, tu te ofereces a ti mesmo. Que isto te concirna em qualquer sopro, em alguns minutos ou em algumas horas, não há qualquer espécie de importância. Então eu termino minhas palavras assim : Tu és Único em toda forma, tu és a Verdade em toda dimensão e o Fogo Ígneo prosseguirá sua obra desde agora até a sua finalização.
Meu amigo, meu amado, tu és Amor. Todo o resto só faz passar, todo o resto desaparecerá.
Eu estou contigo.

… Silêncio…

***

Tradução do Francês: Nice Henz Luz



PDF (Link para download) : Um elenco - SETEMBRO DE 2017

6 comentários:

  1. Uma ênfase muito nítida da mensagem foi que se fizesse a leitura da mensagem de Babaji, de fevereiro de 1984, que aliás é de extrema beleza.

    ResponderExcluir
  2. rendo graças a tradutora e manoel .

    Meu amigo, meu amado, tu és Amor. Todo o resto só faz passar, todo o resto desaparecerá.

    ResponderExcluir
  3. Rendo graças pela mensagem maravilhosa que fala ao coração.
    Rendo graças pela alegria, pela paz, pelo amor, por poder a cada dia
    ver o que estava sobre véus.
    Maravilhoso é poder começar a viver esse amor, essa graça, essa paz.
    Gratidão pela tradutora e pelas tradutoras que tão prontamente tem feito as traduções para que possamos ler essas mensagens maravilhosas que tem nos enchido de amor e de alegria.
    Paz a todos!
    :-)

    ResponderExcluir
  4. « Vossos filhos não são vossos filhos, eles são os filhos da Luz ».
    ***
    Lindo de mais, os filhos dos filhos dos filhos dos filhos...LUZ SÃO!!
    PERFEIÇÃO MAIOR IMPOSSÍVEL.

    OHGLORIA, OHGLORIA, OHGLORIA!!

    Bênçãos e Luz a todos,
    E gratíissima...Sara



    ResponderExcluir
  5. Não é mais tempo de compreender, já não é mais tempo de explicar, é o tempo de viver. O tempo é da simplicidade, o tempo é da Infância. Aí está a verdade e em nenhuma outra parte. Tudo o que deve se desvelar nesse instante, se desvelará a ti em função do que te é útil, não para nutrir qualquer passado ou qualquer futuro, mas útil para a tua verdade no instante presente da tua presença. Então escuta e ouça, não o que te diz tua cabeça, não o que te diz qualquer interveniente que seja, mas escuta teu coração; ele não pode te enganar, ele não pode te levar para além do que é a verdade eterna do Amor.

    ResponderExcluir
  6. Meu amigo, meu amado, eu desço até o teu coração, o Coração Ígneo da Fonte, o Coração Ígneo da Grande Mãe, o Coração Ígneo de Miguel, realizando em ti a junção da Nova Eucaristia ou da Nova Tri-Unidade. Vá além de minhas palavras, vá além mesmo do que tu compreendes, para viver a quintessência e o Verbo vivificante.
    Grato Nice
    Rendo Graças

    ResponderExcluir