A FONTE - Novembro 2017


A FONTE - 15 de Novembro de 2017
Mensagem de 15 de novembro de 2017 (publicada em 27 de novembro)
Origem francesa – recebida do site Les Transformations


Áudio da Leitura da Mensagem em Português - por Noemia
Clique aqui para fazer o download do áudio




Meu amigo, meu amado, na tua presença, onde quer que estejas, estou contigo e sou o que tu és.

Lembra-te: é chegado o tempo de encontrar o que és em verdade e em eternidade. O tempo do Juramento e da Promessa revela-se em ti. No Coração do Coração, tendo encontrado a Fonte da Fonte, tendo-me tornado no que sou, acolho-te no meu seio tal como estou no teu seio. Então, meu amigo, meu amado, no silêncio e na paz deste presente momento manifestado em cada instante e em cada tempo, no silêncio da Verdade, deixemos a Paz, a Verdade e a Eternidade aparecer neste lugar como no lugar do teu coração, com a mesma igualdade e a mesma intensidade. Aí, onde a leveza prevalece,  onde a Alegria é a indizível bênção da tua Presença sem sombras e sem desvios, aí, onde todas as formas são tuas, onde a tua consciência, no lugar em que estás, não pode ficar, nunca mais, separada ou distante.

Revelo-me, pois, em ti, a partir de agora, com toda a intensidade da Verdade. No que se vive em cada um de ti realiza-se este Juramento e esta Promessa que te levam  a viver na leveza do Espírito e na Luz da Verdade, lá onde cabeça e coração são um só, onde tu e eu somos um em cada um. Assim, ouves-te a ti próprio para além de todo o entendimento e de toda a razão, ouves o canto da Ressurreição e o da libertação. Isso é o agora. Tanto faz o que digas, o  que penses ou recuses,  porque é chegado o tempo de te reencontrares verdadeiramente, para lá de toda a aparência e de toda a experiência. Isso é o agora e é verdadeiro, nenhuma outra verdade pode existir e permanecer perante um Supremo cuja majestade é tal que a tua paz é magnificada, fazendo-te descobrir os mecanismos da  tua eternidade aqui mesmo neste mundo - e antes mesmo de seres inteiramente recordado dessa Eternidade -, trazendo-te o sopro e o Verbo necessários para orientar a tua presença neste mundo em qualquer circunstância, abandonando todas as histórias, todo o sofrimento e todos os fardos.

Basta que te ouças e que deixes jorrar através de ti a fonte perene, essa Fonte de Cristal que consegue forjar-te na tua eternidade reencontrada, revelando-te o teu veículo, o que é eterno, que nunca morre e jamais nasce.

Desta forma concebes e vives que nenhum cenário é verdadeiro, que só é verdadeiro o que te sustenta neste instante, a verdade do Amor, a verdade do Silêncio, traduzindo a verdade da tua eternidade em manifestação na tela da tua consciência. E mesmo através desse corpo denso, a leveza prevalecerá cada vez mais, de dia para dia, conduzindo-te ao indizível a fim de que o indizível, qualquer que seja a morada em que te encontres hoje ou amanhã, não faça qualquer diferença na beleza que és.

Onde quer que permaneças, tanto neste mundo como em ti, pouco importa agora, porque tudo o que implica sofrimento só pode apagar-se diante do bálsamo de Amor da tua Presença e da Alegria da Eternidade. Hoje podes finalmente dizer: “Eu sou Um, aqui mesmo e na Eternidade, com a mesma graça e a mesma evidência. O que  quer que diga a personagem e o que quer que diga este mundo, a sua voz é coberta pela verdade do Silêncio, pela verdade da Evidência”.

Deste modo encontraste-te a ti próprio da mesma forma que a Luz te encontrou, abrindo caminho até ao indizível do que és. Hoje, podes verdadeiramente dizer que o Desconhecido se torna para ti conhecido. Nada há a perceber, o que há é deixar ser o que és. A tua pessoa não te pode ser de qualquer utilidade, excepto no que diz respeito à acção neste mundo, mas o que és não tem necessidade de acção porque isso transparece, revela-se, canta em ti mesmo e aparece através da densidade do teu corpo, pondo fim aos tormentos do efémero.

Antes mesmo que o Apelo de Maria chegue ao teu coração, muitos chegam e encontram aquilo que os encontrou, pondo fim à busca, porque já não há nada que possa estar incompleto. Apesar da incompletude do teu corpo presente, a Eternidade que és assume toda a importância, duplicando-te o corpo, revestindo-te a consciência comum com os atributos da Eternidade na qual a Clareza e a Precisão, Aqui e Agora, a Unidade, a Profundidade se manifestam enfim, retomam a encarnação enquanto que tu terminas a tua encarnação na leveza e na graça, sendo que aí nada há a temer por um qualquer esquecimento ou por uma qualquer perda de  forma.

Onde a Alegria prevalece sobre todas as circunstâncias da tua vida, seja qual for a tua idade ou situação em que te encontres, o Amor leva-te ao único lugar que é o teu e que contém todos os outros lugares, aqui ou além. A Alegria torna-se Evidência, a Paz também. E como podes constatar, ela não tem necessidade de nenhum suporte, de nenhuma justificação. Isso é a própria Evidência que finalmente encontras com estabilidade e imutabilidade, seja o que for que tenhas vivido antes.

Assim, o Juramento e a Promessa precipitam a tua libertação, acompanham a tua ressurreição a fim de que, tal como o experimentas, constates que renasces de novo. Hoje mesmo e daqui em diante, dia após dia, sereis mais numerosos a engrossar as filas da Liberdade e do Amor incondicional. A Paz e a Alegria traduzir-se-ão no teu corpo e imprimir-se-ão na tua carne assim como na tua consciência comum, levantando assim os últimos freios e as últimas reticências, mostrando-te os últimos medos, os do Desconhecido, os que transportas sob essa máscara de carne mas que deixam de poder causar problemas a partir do momento em que a Fonte da Fonte te sacie a sede pela Fonte de Cristal, permitindo então que Mikaël, presente em ti, ceife sem dor, monde sem dor, o que permitirá pôr a nu o diamante do teu coração, na tela dos teus olhos e de cada um.

Tal como o experiencias, a bem-aventurança virá apagar tudo o que te pode parecer não evidente, tudo aquilo de que possas parecer duvidar, tudo aquilo em que possas parecer acreditar, no seio deste mundo como no seio do Amor. Porque o que se vive e  que te chama a cada instante mais não é do que a tua eternidade. Assim, portanto, o Juramento e a Promessa iluminam-se, finalmente. Nada mais há a temer, apenas há que aquiescer a esta evidência porque tens conhecimento disso, mesmo que  não o saibas  explicar ou conceber. Assim é a Liberdade, marcada pela Alegria e pela Leveza.

Então podes cantar, no silêncio do teu coração, o canto da libertação que nasce espontaneamente e que ouves, não apenas pelos sentidos, mas directamente pela consciência, sem mistificações ou desvios, sem histórias e sem crenças, sem projecções, com evidência, pois esta é a melhor palavra  para definir o que se está a passar. Que já tenhas já tomado consciência ou que te encontres nas suas premissas, muito em breve, em termos de duração humana, isso será uma evidência num número cada vez maior de olhares cruzados e de formas cruzadas. Que sejam deste mundo ou doutro, pouco importa, porque, a partir de agora, a leveza é toda a mesma.

Tudo o que era pesado, em qualquer sector, no teu íntimo ou nas tuas relações, se desvanece por si porque não podes voltar a duvidar daquilo que és, porque não podes acreditar ser outra coisa que não seja a Verdade nua e pura, a do teu coração, coração que já não vive nem palpita apenas no teu peito mas no conjunto do teu coração de Eternidade, em cada uma das suas partes, iluminando o que há a iluminar, com evidência, sim, com facilidade, também. Não guardes nada do que resiste em ti, isso não te pertence e está morto.

Então deixa a Alegria enterrar o que morreu, não te preocupes com o que se passa mas vê o que nasceu e que, isso sim, jamais pode desaparecer, porque, sabe-lo bem, este nascimento mais não é  do que o renascimento da Verdade única que nunca te abandonou; mesmo que ela te tenha sido retirada pelas circunstâncias deste mundo, isso não passou de aparência e ilusão.

Enquanto te tornas a testemunha da tua verdade, a testemunha da tua eternidade, o melhor testemunho que podes dar é deixar a Alegria sobrepor-se a todo o resto e deixar a espontaneidade  apagar cada previsão e antecipação. Voltando a ser então essa criança inocente que nunca deixaste de ser, independentemente dos ouropéis da tua idade, sejam quais forem as vestes  das tuas sucessivas histórias, elas são-te retiradas para que recubras a consciência com a tua veste de Eternidade, no seio da eterna Graça, da Alegria que nunca perece, impedindo que o medo seja sequer pensado ou evocado.

As minhas palavras não são abundantes porque, efectivamente, isto dispensa palavras. Coloca-te no Acolhimento.

Disse-o: o teu Coração eterno vibra agora em cada parcela do teu corpo, em cada célula, em cada fragmento da tua consciência, assim como em cada história ainda presente na tua consciência que assim se esvai, que se esvai com ligeireza. Como te dás conta, hoje é impensável resistir ao que que quer que seja, porque a Evidência se torna, dia após dia, cada vez mais forte e mais intensa.

Basta que fiques sereno, sabe-lo bem, sem nada procurar. Tendo-te a Luz encontrado, ela permanece a partir de agora em qualquer circunstância interior e em cada acto no seio deste mundo, porque isso é mais do que a Graça, é a Inteligência da Vida que se sobrepõe a tudo em que pudeste crer, a tudo o que pudeste fazer, sem deixar lugar para qualquer karma, sem deixar lugar para qualquer crença, qualquer sofrimento. Nada mais há a fazer do que ser, na verdade, essa Verdade, onde tu és o Caminho, a Verdade e a Vida, mais do que tudo o que resta daquilo  a que talvez tenhas aderido.

Esse é o melhor lugar e, aliás, nem há outro, penses o que pensares ainda, mas, em breve, mesmo o pensamento não poderá conduzir-te a outro lugar que não ao Coração do Coração. Em todas as circunstâncias, em todos os acontecimentos deste mundo e da tua vida, independentemente da sua natureza e intensidade, eles nada são face  à leveza da eternidade reencontrada.

Não, não estás a sonhar; diria até que o sonho está a acabar; qualquer que tenha sido a sua forma - pesadelo ou plenitude - tudo passa, bem sabes. O que se vive agora não pode passar nem adormecer, só pode aumentar em intensidade e em força, em verdade e em beleza, sem que nada tenhas a fazer, deixando-te  simplesmente esculpir e burilar pela perfeição da Verdade.

O Amor não tem necessidade de nenhum controlo e dele não podes controlar a direcção nem o destino porque, no Amor, nada mais há para acontecer do que seres o que já és, e reforçá-lo. E não és tu que fazes isto, é a Luz  que está presente e que o realiza, porque não pode ser de outro modo; digas o que disseres, vivas o que viveres, é igual.

As lembranças da tua eternidade irrompe mesmo neste mundo. O teu veículo de Eternidade manifesta-se perante ti de inúmeras maneiras, mas sejam elas quais forem, tu és a testemunha da Alegria que daí decorre, quaisquer que sejam as interrogações iniciais ligadas a esse Desconhecido que aparece na esfera do conhecido, coisa impensável e impossível ainda há pouco tempo. E isto não depende de nenhuma circunstância prévia nem mesmo da activação de qualquer vibração. Então, chegou o tempo de te alegrares, sim; mesmo que hoje, neste momento, nada vivas, amanhã acontecerá. Basta acolher, estar presente, viver. Todo o resto vem por si, é espontâneo, como esta Alegria que  começa a emanar ou que se revelou já na sua totalidade.

Assim descobres  a cada dia que não há  nada de que dependas, a não ser do que é verdadeiro, porque o que é verdadeiro se encarrega do que não é verdadeiro. Já o vais constatando e e isso vai tornar-se cada vez mais visível e perceptível. Aí, não há história que tenha qualquer utilidade ou importância, toda a explicação, todo o pensamento nada mais pode trazer-te do que aquilo que é vivido, para que seja vivido, não tens necessidade de nenhum instrumento ou requisito prévio, não tens necessidade de nenhuma entidade, nem da tua nem da dos seres de Luz que te acompanham, de maneira íntima ou colectiva, há tanto tempo.

Hoje a autonomia do teu Espírito e em breve do teu corpo é de tal modo flagrante que mais nada é importante e tudo o que podia  parecer-te, no actual momento, fundamental e importante na cena  deste mundo, assim como em meio às tuas experiências vividas, se afasta de ti perante essa certeza que não precisa nem de imagens, nem de histórias, nem de formas, nem mesmo de consciência.

Aqui estamos finalmente reunidos, aqui estamos finalmente em ti mas também nos teus céus, no teu olhar como em cada olhar, em cada sorriso, em cada Teofania, em cada relação. Que ela provenha da carne ou do Espírito, é igual, porque tem a mesma qualidade e intensidade do Amor e da Verdade. Tudo se  difunde e tudo se revela, sobretudo o que é passageiro e tem estado escondido. Já não há lugar onde alguém presente na face da terra se possa esconder e o testemunho directo disso é a leveza que experimentas. Não te detenhas no que é denso e pesado porque a própria leveza o eliminará. Não precisas de participar ou investir o que quer que seja para  isso, porque se trata duma coisa natural. Toda a verdade não pode deixar de ser simples e natural como o Amor incondicional que te encontrou e que prevalece sobre absolutamente todo o resto, pondo fim à história deste mundo, retomando a liberdade de todas as histórias.

No ponto em que renasces como naquele em que morres a fim de ressuscitar, a alegria da libertação põe fim a todo o sentimento de perda, põe fim aos derradeiros hábitos mas também aos últimos apegos. Deste modo descobres-te livre e repetidamente renovado perante cada irmão ou irmã que te é dado encontrar em qualquer  plano, porque todos os planos se reúnem no teu plano a fim de fazer o milagre duma só coisa e duma só Verdade.

No que vive e vibra no alto da cabeça encontras o teu coração, realmente ascendido apesar da presença da tua forma que deixou de ser um obstáculo, uma vez que não há agora nada que possa representar um obstáculo face à intensidade da progressão da revelação da Luz. Nada mais há  a reter, nada mais  há em que te apoies a não ser naquilo que és.

Assim se vive a ressurreição da humanidade que será, com efeito, finalizada, porque dispões de todas as possibilidades e oportunidades para o conseguir. Não procurando simplesmente refúgio no teu espaço interior mas abrindo os olhos para o que vives e o que vive o mundo, sem julgamento, sem interpretação, apenas vendo. Para onde quer que voltes o teu olhar, para o teu interior ou para qualquer parte deste mundo, para qualquer irmã ou irmão que seja, vês ou verás a mesma coisa; o jogo do Amor é isso e nada mais. Todo o resto mais não é do que aparência e todo o resto é passageiro. Instala-te então agora, com evidência, naquilo que és.

Já te foi dito: nada tens a prever ou a temer, só tens de viver com intensidade o que a vida te dá a viver pois todas as circunstâncias, das mais agradáveis às mais desagradáveis para a pessoa, são apenas as melhores para a revelação do Amor e da Eternidade no campo da consciência, no campo do teu corpo.

Escuta o que diz a Luz no teu coração, onde quer que estejas, e vê que nada há a ver, vê a perfeição inscrita, ao mesmo tempo para lá de toda a forma deste mundo e de qualquer outro que te seja acessível.

Repousa, pois a Fonte das Fontes revelada em ti põe efectivamente fim a toda a fome e a toda a sede, assim como a todo o sono, pois nunca mais terás necessidade de dormir, nunca mais terás necessidade de esquecer. Isso faz parte do que és e que está agora, verdadeiramente, em manifestação, de forma cada vez mais completa e integral. Mais nada te poderá iludir, vindo de ti ou de qualquer outra parte. Assim, tornas-te a Fonte para todos, para lá de todo o papel a desempenhar e de todo o desejo, para lá de qualquer enredo.

Isso acontece neste instante e acontecerá em cada instante. Convido-te, onde quer que te encontres hoje, a deixar ser o que está a ser feito, quanto ao qual nada podes fazer porque não pode haver melhor perfeição do que a do regresso da Luz em manifestação, seja na tua consciência seja no painel deste mundo. Não te preocupes com o que pode resistir tanto no exterior de ti como em ti. Agora que viste o Amor pronto e em acção, tudo está visto; mesmo o que não foi ainda visto consegue-se ver com olhar do Amor e,  portanto, põe fim a toda a resistência e a toda a luta.

A Luz convida-te a ver cada vez mais Luz em qualquer aparência que seja. Ela leva  tua consciência a não mais dividir e a não mais ficar separada, a deixar de ser  uma coisa comum para passar a ser cada vez mais e em maior número de circunstâncias, no próprio seio do efémero, a expressão da Alegria mais pura, do Amor mais sincero e do sorriso mais justo. Digas o que disseres, e mesmo  que não o vivas, é agora. Hoje ou amanhã, tanto faz, a partir do momento em que tu próprio aceites não ver nenhuma diferença, a qualquer nível, porque o Amor ocupa todo o lugar e todo o espaço, não deixando nada ao acaso nem ao sofrimento. Então o coração que bate no centro da cabeça, Fonte das Fontes, a Fonte de Cristal, alcança o ponto ER. O coração alcança a cabeça e a cabeça alcança o coração, fazendo o milagre duma coisa única inscrita na mesma verdade, na mesma intensidade, na mesma beleza.

É chegado o tempo de seres libertado. Por ti próprio, em plena normalidade; nada tens a procurar como libertação, ela é-te trazida pela Inteligência da Luz e pelas suas graças excepcionais - se bem que tão naturais - vividas neste instante. Porque, mesmo que seja amanhã, verás bem que isso sempre esteve presente e que te bastava simplesmente mudar de lugar e aquiescer a esse Desconhecido tornado Conhecido.

Não tens necessidade de palavras; mesmo que isso aumente o teu sorriso, já  não é uma necessidade. Isso é também uma evidência natural, quer no seio da natureza, na cama, em sonhos, durante o sono, em cada encontro que vives com cada ser da humanidade ou de qualquer outro lado, onde nada há a explicar, simplesmente aquiescer ao que se vive porque isso é evidência. porque não pode ser doutro modo quando a Verdade está presente realizando enfim que nada há a manter, a conservar, a preservar porque, a partir do momento em que o Amor que és te assiste, nada tens a reter nem a considerar por ti mesmo. A Via da Infância revela-se. Relativamente a qualquer caminho que julgues ter percorrido, qualquer experiência que tenhas vivido, não podes fazer comparações porque isso é impossível de comparar e não pode ser medido com nenhum instrumento deste mundo. Porque disso não te podes apoderar, visto ser o que tu és.

...Silêncio...

Então, neste momento que transcende todos os momentos, poderás dizer, tu também:” Tudo se cumpriu. Pai, nas tuas mãos entrego o meu Espírito”, com uma voz e um pensamento soltos,  livres enfim de julgamentos e de suposições, quaisquer que sejam. Na Eternidade nada há a esperar ou a temer quanto ao que acontece no palco do mundo, de modo a realizar o verdadeiro Amor para aqueles que dele se encontram afastados de momento. O Amor não julga mas o Amor pode, efectivamente, cortar o que não está no amor.

Escuta o que te digo no silêncio das minhas palavras. Escuta. É aí que reside o verdadeiro milagre; não há outro.  Esse milagre que se te torna comum, a que podes tu compará-lo? Como podes tu pesá-lo ou contá-lo?

Meu amigo, meu amado, que podes ter tu a viver de mais intenso do que isto e de mais verdadeiro do que isto? De nada serve sonhar; assim te recrias na Eternidade, em cada respiração, em cada olhar, em cada palavra como em cada silêncio. Já não há diferença, tudo é Um em verdade, aqui mesmo.

...Silêncio...

Então, agora, imediatamente a seguir, onde quer que estejas, seja qual for o dia, fiquemos juntos no Coração do Coração, a fim de que a Fonte da Fonte e que tu e eu  e que tu e cada um  façamos apenas Um, apesar de todas as aparências. Aí reside a majestade do que é completo e completude, do que é verdadeiro e não pode passar nem sequer diminuir, como constatas e constatarás em cada dia da tua vida.

… Silêncio…

Escuta, escuta o teu coração, o de Eternidade que se revela. Ele não tem nada a dizer-te que não conheças já; não tem nenhuma história para te contar; está apenas presente e é o que tu és e isso nunca mais passará, tornando-te um pouco mais firme a cada dia que passa neste Desconhecido que é agora Conhecido, aqui mesmo, antes mesmo da estase. Porque o Amor é uma oferta em cada dia, um presente natural em que cada circunstância é também Evidência.

...Silêncio...

Meu amigo meu amado, a partir de agora já não tens necessidade de palavras ou demonstrações exteriores; mesmo se estas se amplificarem, já não serão provas; são testemunhos da Evidência.

Eis que ouves com clareza a declamação do Amor no silêncio do coração. Não, não sonhas, antes despertas e nunca mais poderás voltar a adormecer porque o Amor não é passível de ausência ou distância.

...Silêncio...

Assim, as minhas palavras afastam-se enquanto que a tua Presença se revela em majestade, revestindo-te em permanência com o Manto da Graça.

Meu amigo, meu amado, estando contigo desde sempre, hoje isso é inteiramente verdadeiro e não pode ser evitado.

...Silêncio...

Naquilo que é, nada mais tens a almejar, nada mais tens a desejar, pois tudo está perfeito.

...Silêncio...

Meu amigo, meu amado, tudo isso sabes, dado que és um ser inteiro, mesmo se tens ainda a impressão falsa de não o saber, pois és a Graça e a Vida, de agora em diante, apesar da aparência desse corpo ainda presente.

Não tenho outras palavras a dizer-te, mas escuta apenas o teu coração e o meu, que são a mesma Fonte e a mesma Evidência.

Meu amigo, meu amado, abriu-se o céu. Na fonte da consciência, tudo é dado, tudo é verdadeiro e tudo permanece para sempre.

Meu amigo, meu amado, é tempo agora que eu mergulhe no silêncio e na beleza do teu coração porque a tua casa está limpa para o que aí está, para o que aí vem.

Meu  amigo, meu amado, abençoo-te para lá de toda a medida, infinitamente.

Meu amigo, meu amado, estabeleço-me no que és porque eu sou tu, bem mais do que em qualquer momento, para lá mesmo de toda a esperança ou de todas as sombras.

...Silêncio...

Saúdo cada um de ti com uma saudação eterna que também não pode passar e que permanece imutável naquilo que és porque estás em todos os sítios, em todos os lugares, em todo o mundo. O testemunho desta Verdade é a Paz e o Amor que nada pode igualar, por isso me calo agora. Meu amigo, meu amado, estou aqui para sempre. Recebe o Fogo Ígneo do Espírito; assim acolho cada um de ti com o mesmo fervor, sem  distinção, porque o Amor é permanente perdão.

Meu amigo, meu amado, o silêncio  instala-se.

Tudo se cumpriu em perfeição e majestade, além do mais.

E digo-te até sempre, e do meu coração para o  teu e em cada coração, o amor não pode ser nem travado nem retardado. Até sempre, meu amigo, meu amado.

***


Tradução do Francês: Maria Teresa Santos



PDF (Link para download) : A FONTE - NOVEMBRO 2017


4 comentários:

  1. A tua pessoa não te pode ser de qualquer utilidade, excepto no que diz respeito à acção neste mundo, mas o que és não tem necessidade de acção porque isso transparece, revela-se, canta em ti mesmo e aparece através da densidade do teu corpo, pondo fim aos tormentos do efémero.
    .........
    Voltando a ser então essa criança inocente que nunca deixaste de ser, independentemente dos ouropéis da tua idade, sejam quais forem as vestes das tuas sucessivas histórias, elas são-te retiradas para que recubras a consciência com a tua veste de Eternidade, no seio da eterna Graça, da Alegria que nunca perece, impedindo que o medo seja sequer pensado ou evocado.
    .........
    Repousa, pois a Fonte das Fontes revelada em ti põe efectivamente fim a toda a fome e a toda a sede, assim como a todo o sono, pois nunca mais terás necessidade de dormir, nunca mais terás necessidade de esquecer.
    .........
    Isso acontece neste instante e acontecerá em cada instante. Convido-te, onde quer que te encontres hoje, a deixar ser o que está a ser feito, quanto ao qual nada podes fazer porque não pode haver melhor perfeição do que a do regresso da Luz em manifestação, seja na tua consciência seja no painel deste mundo.
    .........
    Relativamente a qualquer caminho que julgues ter percorrido, qualquer experiência que tenhas vivido, não podes fazer comparações porque isso é impossível de comparar e não pode ser medido com nenhum instrumento deste mundo. Porque disso não te podes apoderar, visto ser o que tu és.
    .........
    Escuta. É aí que reside o verdadeiro milagre; não há outro. Esse milagre que se te torna comum, a que podes tu compará-lo? Como podes tu pesá-lo ou contá-lo?

    ResponderExcluir
  2. Hoje a autonomia do teu Espírito e em breve do teu corpo é de tal modo flagrante que mais nada é importante e tudo o que podia parecer-te, no actual momento, fundamental e importante na cena deste mundo, assim como em meio às tuas experiências vividas, se afasta de ti perante essa certeza que não precisa nem de imagens, nem de histórias, nem de formas, nem mesmo de consciência.
    ***
    ...Amor ocupa todo o lugar e todo o espaço, não deixando nada ao acaso nem ao sofrimento. Então o coração que bate no centro da cabeça, Fonte das Fontes, a Fonte de Cristal, alcança o ponto ER. O coração alcança a cabeça e a cabeça alcança o coração, fazendo o milagre duma coisa única inscrita na mesma verdade, na mesma intensidade, na mesma beleza.

    ****

    Em Prantos de Alegria, alinho-me na Gloria,
    OHGLORIA, OHGLORIA, OHGLORIA!!
    Em Luz, Sara.

    ResponderExcluir
  3. "(...) Naquilo que é, nada mais tens a almejar, nada mais tens a desejar, pois tudo está perfeito.(...)"

    "(...) Meu amigo, meu amado, é tempo agora que eu mergulhe no silêncio e na beleza do teu coração porque a tua casa está limpa para o que aí está, para o que aí vem.(...)"

    "(...) Meu amigo, meu amado, o silêncio instala-se.

    Tudo se cumpriu em perfeição e majestade, além do mais.

    E digo-te até sempre, e do meu coração para o teu e em cada coração, o amor não pode ser nem travado nem retardado. Até sempre, meu amigo, meu amado.(...)"

    .......................

    Quanto AMOR!!!


    ResponderExcluir
  4. Convido-te, onde quer que te encontres hoje, a deixar ser o que está a ser feito, quanto ao qual nada podes fazer porque não pode haver melhor perfeição do que a do regresso da Luz em manifestação, seja na tua consciência seja no painel deste mundo. Não te preocupes com o que pode resistir tanto no exterior de ti como em ti. Agora que viste o Amor pronto e em acção, tudo está visto; mesmo o que não foi ainda visto consegue-se ver com olhar do Amor e, portanto, põe fim a toda a resistência e a toda a luta.
    ...
    Eis que ouves com clareza a declamação do Amor no silêncio do coração. Não, não sonhas, antes despertas e nunca mais poderás voltar a adormecer porque o Amor não é passível de ausência ou distância.
    ...
    E digo-te até sempre, e do meu coração para o teu e em cada coração, o amor não pode ser nem travado nem retardado
    Grato Maria Tereza
    Tudo se cumpriu em perfeição e majestade
    Rendo Graças

    ResponderExcluir